TCU identifica falta de informações regionalizadas no orçamento da União

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou ao Ministério do Planejamento (MP), à Controladoria-Geral da União (CGU) e à Secretaria do Tesouro Nacional (STN) que elaborem plano de ação para aprimorar as informações sobre a regionalização da despesa no processo orçamentário federal.

A decisão foi baseada em levantamento de auditoria com o objetivo de apresentar quadro sobre o estágio atual da identificação espacial das despesas públicas no orçamento da União, que detectou dificuldades em traçar panorama da distribuição regional da aplicação dos recursos a partir das informações dos orçamentos fiscal e de investimentos.

De acordo com o ministro Aroldo Cedraz de Oliveira, relator do processo, no orçamento fiscal de 2009, do R$ 1,15 trilhão executado, pouco mais de 90% estava classificado como nacional, o que torna impossível identificar onde foram realizadas as despesas. “O orçamento deve ser um dos instrumentos utilizados para promover a redução das desigualdades regionais. Pressuposto básico para isso é que as informações orçamentárias permitam identificar a localização geográfica das despesas”, destacou Cedraz.

Duas secretarias do MP expressaram visões distintas sobre o tema, envolvendo as competências e responsabilidades relacionadas à classificação espacial das despesas. Além disso, o TCU fez várias consultas frustradas ao Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi), mesmo utilizando diferentes parâmetros de procura.

No sentido de contribuir para o aprimoramento da questão, o TCU determinou à STN que avalie a pertinência de incorporar ao Siafi informações regionalizadas constantes de outros bancos de dados, tais como aqueles referentes a pagamentos de pessoal, benefícios previdenciários. Também determinou a realização de estudos nas unidades gestoras a fim de verificar o motivo de valores pagos com ordens bancárias sem identificação dos favorecidos.

Fonte: Tribunal de Contas da União

2 Comentários


    1. Não detectamos a confirmação do pagamento, ainda.

Comentários encerrados.